QUINTA-FEIRA, 17 DE AGOSTO DE 2017

Hugo vive fase plena de desenvolvimento da medicina de alta complexidade
Data de publicação: 20 de março de 2017 - 13:15


O médico clínico Ciro Ricardo Pires de Castro (foto), diretor geral do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), atua no corpo clínico da unidade desde a inauguração, em 1991. Durante todos esses anos, o profissional acompanhou as diferentes fases pelas quais o hospital passou, que o conduziram da esperança no estabelecimento de uma medicina de urgência de ponta na capital goiana até o desmonte desse propósito ao ver desvirtuada a sua real função de atendimento de média e alta complexidades, para absorver o grande contingente de pessoas que buscavam a unidade para realizar pequenos procedimentos.

“Inauguramos a unidade com a promessa de sermos especialistas no atendimento de grandes traumas e fomos vítimas da nossa eficiência. Em pouco tempo, a sociedade passou a ver no sistema de portas abertas do Hugo, a salvação para todo e qualquer pequeno problema que a acometia. Casos perfeitamente tratados em Cais chegavam diretamente para nós. Dessa forma, chegamos ao nível de ver macas espalhadas pelos corredores para absorver o enorme contingente de casos recebidos”, recorda Ciro.

Somada à falta de orientação da população, os entraves burocráticos impostos à gestão pública levaram a unidade a uma deterioração de sua infraestrutura e dos materiais e insumos necessários para a boa manutenção de um hospital, em poucas décadas de funcionamento.

Nova abordagem
Tal realidade começou a ser transformada em maio de 2012, quando o Governo do Estado repassou a sua administração à Organização Social Gerir, estabelecendo um novo modelo de gestão compartilhada de unidades públicas de saúde. Nesse momento, o Hugo começou a resgatar a sua essência, o propósito da sua criação, que sempre foi o atendimento de traumas de maior complexidade.

“Ao adotarmos a classificação de risco de pacientes, conseguimos fazer o mapeamento mais preciso de quem realmente tem o perfil emergencial e de urgência para ser atendido na unidade, permitindo, com isso, dar o devido encaminhamento aos Cais de casos de menor potencial de gravidade. Somado a isso, contamos com a melhor orientação do sistema de regulação de pacientes e de campanhas elucidativas sobre a natureza de atendimentos da unidade, o que permitiu que deixássemos de absorver todo e qualquer tipo de pequenas demandas que nos apareciam diariamente”, relata                                                                                                                                                                                                  Emergência-Depois-300x200

Paralelo a isso, a diretoria da OS elencou áreas prioritárias para receberem investimentos infraestruturais desde o início do contrato. Foi criada uma área vermelha para atendimento prioritário de pacientes graves e promovida a reforma de leitos de observação com a instalação de novos equipamentos para monitoramento e ventilação mecânica.

Sob a nova gestão foram abertos 172 leitos a mais, permitidos com a transferência da área administrativa para um bloco anexo. Com isso, os 235 leito iniciais foram ampliados para 407 ao todo, sendo 14 de UTI abertos logo nos primeiros 30 dias do contrato de gestão. (Clique aqui e conheça a realidade da UTI do Hugo)

Com o hospital abastecido e o foco do seu atendimento restaurado, foi possível se promover um salto nos atendimentos ambulatoriais, que passaram de 4900 para 6 mil mensais. E as cirurgias de média e alta complexidade, que chegavam a 750 por mês, saltaram para 1200. Unidade está hoje entre os 3 melhores hospitais públicos de trauma do Brasil.

Investimentos em infraestrutura 

O prédio do Hugo, construído na década de 1.990, recebeu uma série de intervenções para adequá-lo à nova dinâmica de atendimento. Com isso, a Os Gerir promoveu reformas completas na UTI 2, no Centro Cirúrgico, no Pronto Socorro e deu uma nova configuração à sua fachada. O segundo andar foi totalmente reformulado para acomodar uma nova enfermaria, com 70 leitos equipados com camas modernas e poltronas reclináveis em todos os quartos.

As enfermarias no terceiro e quarto andares foram reformadas, o que possibilitou a ampliação de 69 leitos para os 107 atuais. A unidade ganhou farmácias satélites e a climatização de ambientes como das recepções, salas cirúrgicas e demais ambientes.

Com três anos de gestão pela OS, o hospital viu suas taxas de infecção serem reduzidas em mais de 80%, o que demonstra a qualidade da assistência oferecida e a eficácia dos protocolos adotados. Outra redução constatada foi do tempo médio de permanência de pacientes internados na UTI, que diminuiu  de 15 para sete dias, permitindo que fosse dobrado o número de internações de pacientes graves por mês. Atualmente, são conferidas 1.200 altas mensalmente.

“Vivemos uma nova fase do Hugo, uma fase próspera e pautada no atendimento de casos complexos. A implantação da classificação de risco permitiu que detectássemos os atendimentos prioritários, que são os de grande complexidade. Hoje estamos abastecidos, com condições ideais para trabalharmos e contando com corpo clínico altamente capacitado para responder com eficácia às mais graves lesões”, analisou o diretor.

[Galeria não encontrada]




Gabinete de Gestão de Imprensa do Governador
Palácio Pedro Ludovico Teixeira, Rua 82, nº 400, 9º Andar, Setor Central. GOIÂNIA/GO. CEP: 74.015-908
Fone Redação: (62) 3201-5954
goiasagora@abc.go.gov.br