SÁBADO, 21 DE OUTUBRO DE 2017

TBC será digitalizada até setembro
Data de publicação: 25 de maio de 2015 - 7:30


 

Equipamentos antigos e sucateados serão substituídos por tecnologia de última geração. Foto: Leo Iran
Equipamentos antigos e sucateados serão substituídos por tecnologia de última geração.
Foto: Leo Iran

 Por Gabriela Louredo

Até o final do mês de setembro, a Televisão Brasil Central (TBC) passará a transmitir a programação em HD para a população de Goiânia e Região Metropolitana. Na prática, a mudança representa melhor qualidade de som e imagem. Será o adeus definitivo aos ruídos, chuviscos e fantasmas que, em se tratando de sinal analógico, podem aparecer na telinha do aparelho televisor.

Segundo cronograma estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o desligamento das transmissões analógicas começa em novembro de 2015 e estende-se até o final de 2018. Em Goiânia, a medida está prevista para 2016. Os modelos de televisores mais antigos – como aqueles aparelhos grandes, de tubo – precisarão de um Conversor de TV Digital. Já modelos mais novos, de tela fina (plasma, LCD, LED etc.), possuem um Conversor de TV Digital integrado.

Quanto à antena de recepção, para um melhor resultado, recomenda-se que ela seja externa. A diretora de Telerradiodifusão e Imprensa Oficial da Agência Brasil Central (ABC), Abadia Lima, afirma que a era digital trará um grande avanço para a emissora, que em 1997 viu parte de seus arquivos ser destruída em decorrência de um incêndio. A emissora completou 40 anos no último dia 1º. Leia. “Estamos nos aproximando de uma época muito importante e fantástica, que é a digitalização da TBC. Hoje ainda atuamos no (sinal) analógico porque agora que estão chegando os equipamentos que vamos implantar logo. A parte de infraestrutura já foi construída e a tecnologia já começou a ser implantada, mas seguramente nós teremos a TV digital mais moderna do Brasil.

A cada ano, a informatização se renova e surgem diferentes medidas para tecnologia e como seremos os últimos a implantarmos esse processo, seremos uma TV muito moderna para os parâmetros já existentes no Brasil de digitalização de TV”, afirma. A digitalização demandou investimentos de aproximadamente R$20 milhões, recursos obtidos por meio de financiamento junto ao Banco do Brasil. A primeira etapa foi a reforma do prédio. Todo o espaço físico foi adaptado para atender às necessidades de uma TV digital. Nessa reforma as instalações elétricas, acústicas e também o sistema de refrigeração foram refeitos para que se adequem às exigências de uma emissora HD.

De acordo com a gerente da TBC, Susete Amâncio, a digitalização começou a ser discutida há cinco anos. “Em 2010, começamos a fazer os primeiros projetos, as primeiras viagens a Brasília para saber realmente o que tínhamos que fazer e, de 2011 pra cá, efetivamente, nós começamos o processo de digitalização, a busca de financiamento, e a contratação da empresa especializada em projetos de digitalização Aurin Consultoria de Telecomunicações, de São Paulo, que foi responsável pela digitalização da TV Aparecida. Depois de finalizado o projeto, tivemos que fazer algumas adaptações”, explica. Ela diz que o processo é demorado porque há um extenso rol com cerca de 800 itens que devem ser substituídos nesta transição do sinal analógico para o digital.

Para Susete, o advento da nova tecnologia vai dar uma “injeção de ânimo” para os profissionais da televisão, resultando também em melhores índices de audiência.”Acho que muda tudo porque televisão é imagem e som e quem vê TV, quer ver uma boa imagem. Então, se você liga em um canal e a imagem está ruim, você não assiste. Podemos aumentar a nossa audiência, e aumentando a nossa audiência, consequentemente aumenta a cobrança da população em relação à programação e assim aumentará a nossa produção e a nossa motivação. É muito ruim você pensar que você faz televisão e trabalha 24 horas para ter um retorno pequeno em termos de audiência. Temos uma mensagem para transmitir e queremos ser vistos”, enfatiza.

Diretora de Telerradiodifusão da ABC acredita que nova fase vai trazer avanços para emissora. Foto: Leo Iran

Diretora de Telerradiodifusão da ABC, Abadia Lima, acredita que digitalização vai trazer avanços para emissora.
Foto: Leo Iran

Todos os equipamentos de última geração que vão introduzir a TBC na era digital, sendo a maioria importados, já chegaram. Abadia Lima dá detalhes sobre a nova estrutura. “São três estúdios novos já montados, um deles com auditório, além das ilhas de edição digitais que vão ficar na parte superior do prédio. Já temos a redação toda nova, a cinegrafia e as salas da gerência também. O que está faltando é ‘implantar’ (fazer a instalação e montagem), mas assim que estiver tudo pronto aí a infraestrutura será concluída. É a partir de agora que vai começar. Será um grande degrau galgado”, relata.

Na comparação entre o sinal analógico e o digital, o chefe da Divisão Artística de Programação da TBC, Lourenço Tomazett, é enfático ao ressaltar a qualidade proporcionada pelo último. “A imagem digital é muito melhor que a analógica, é feita através de dados de computadores. Ela não tem má qualidade, é uma imagem limpa, nítida que fortalece muito as expressões. Além disso, as pessoas poderão acompanhar melhor a TV para não sair do ar”, compara. acompanhado de aperfeiçoamento profissional. Para operar as câmeras e demais equipamentos modernos, a equipe técnica será qualificada por meio de curso a ser ministrado pela empresa AD Digital, de São Paulo, vencedora de processo licitatório.

Interior
Em Goiânia, como já foi instalado há dois anos um transmissor digital na torre da TBC, localizada no Morro do Mendanha, a melhoria na imagem será instantânea. Com a finalidade de estender essa transformação também para o interior, o Estado deverá realizar uma concorrência pública em 2016. “Com a digitalização, o governador já autorizou a expandir a digitalização para os municípios do interior. Ele já franqueou R$14 milhões de crédito público pra começarmos o mais rápido que pudermos o processo de digitalização das nossas retransmissoras no interior. Em algumas cidades ainda estamos tentando a autorização do Ministério das Comunicações. De 50 cidades o Ministério já autorizou. Vamos começar o processo de licitação dos equipamentos para o ano que vem. Teremos o sinal bem melhor em quem ainda não está digitalizado no interior, mas as nossas antenas e equipamentos teremos que mudar”, complementa.

Novidades na programação

À frente da Agência Brasil Central (ABC), Carlos Alberto Leréia, pretende fazer uma reformulação na grade de programação local exibida atualmente pela TBC (canal 13 da TV aberta). A ideia é ampliar

Presidente da ABC, Carlos Alberto Lereia, quer ampliar produção de programas locais.

Presidente da ABC, Carlos Alberto Lereia, quer ampliar produção de programas locais.

a produção de programas próprios da casa, contando com a colaboração dos servidores efetivos da emissora estatal. “Nesses 40 anos, nossa emissora tem participado dos acontecimentos tanto da história do Estado ligada à política, quanto às artes, ligada a vários setores e momentos históricos que o Estado viveu. Somos ligados à TV Cultura, que pertence à Fundação Padre Anchieta, e além de retransmitir um contrato que respeitamos de uma TV que tem conteúdo e qualidade, queremos produzir coisas que são relevantes para a sociedade goiana. É a isso que eu acho que ela se propõe, para que não tenha a única finalidade do lucro. Acho que temos que ser diferentes das demais televisões e, nesta fase, produzirmos programas que a gente possa mostrar para o Estado e que a nossa parceira possa mostrar em nível nacional. Essa é a ideia que tenho e, para isso, vamos contar com a criatividade dos próprios servidores – 98% são efetivos – e contamos com esse apoio. Estaremos prestigiando-os porque acho importante para que cada um possa contribuir com a sua ideia”, assinala.

O chefe da Divisão Artística de Programação da TBC, Lourenço Tomazett, diz que as novidades anunciadas na programação, aliadas à digitalização, poderão alavancar a audiência da emissora. “O presidente está com a ideia de fazer uma televisão mais dinâmica, de atacar o que interessa um pouco mais o telespectador, que dê mais audiência, fazer ela ser assistida porque o que todo profissional faz é pra mostrar. Isso, na verdade, é um objetivo de qualquer emissora. É um desafio pelo qual vamos lutar. Nós temos feito algumas reuniões. Alguns projetos já estão em discussão para fazermos mais programas locais e produzirmos aqui”, diz.

Abadia Lima afirma que algumas mudanças já foram feitas. Nos próximos 30 dias será lançada a primeira licitação para a produção de programas jornalístico e de esporte que serão readequados. “Estamos em uma fase de implantação de novos programas com novos projetos já autorizados e estamos começando a formar as equipes. Mas será programação própria – cerca de 25% da grade é própria. Colocaremos, no mínimo, três novos programas no ar e como a TV Cultura é voltada para as artes e para a educação, estamos contando com isso e vamos voltar com o esporte e estamos licitando quem ganhar que vai apresentar e vamos licitar outros dois. E os demais que vamos colocar no ar são nossos”, revela.

TBC Memória
Enquanto aguarda os dias para entrar em definitivo na modernidade através da digitalização, a TV Brasil Central tem muita história para contar. Através do projeto TBC Memória 40 anos, o site Goiás Agora recuperou e disponibiliza trecho de um telejornal da TBC que foi ao ar em 1979, quando a emissora possuía apenas quatro anos de existência. Assista ao vídeo.

Naquela época as reportagens eram feitas através de filme mudo e em preto e branco, um processo demorado e caro, dependendo do equipamento sem a possibilidade de gravar entrevistas.  Com isso a notícia era lida ao vivo pelo apresentador, no caso Íris Mendes, e sem o auxílio do teleprompter, aparelho que permite ao apresentador ler a notícia olhando para a câmera e sem ter que “colar” do papel. Em outras situações era mostrada uma fotografia do envolvido na notícia para não ser mostrado o apresentador lendo diretamente do papel a notícia.

 

 

 

 

 






Gabinete de Gestão de Imprensa do Governador
Palácio Pedro Ludovico Teixeira, Rua 82, nº 400, 9º Andar, Setor Central. GOIÂNIA/GO. CEP: 74.015-908
Fone Redação: (62) 3201-5954
goiasagora@abc.go.gov.br